No

cias

Notícias

Antonio Luiz e Nil Bernardes, 55 anos de amizade e parceria
Publicado em: 05/12/2018

Imagem da notícia

Compositores de dezenas de sucessos no rock, no samba, no sertanejo e na MPB, eles fazem show em que celebram suas criações e repassam duas bem-sucedidas carreiras

De São Paulo

Foto de Bellalucca Zinho

Eles são amigos há nada menos do que 55 anos. Parceiros num número indeterminado de composições — entre as cerca de 800 que cada um dos dois tem gravadas, por eles próprios e uma constelação de artistas nacionais —, Antonio Luiz e Nil Bernardes estrearam há algumas semanas, em São Paulo, um grande show que sedimenta esta excelente relação dentro e fora do palco. Em “Dois Amigos, Dois Irmãos”, ambos os compositores, músicos, cantores, arranjadores e produtores apresentam um apanhado de seus muitos sucessos, que passam por estilos e fases variados da música, além de relembrar um período muito especial que viveram juntos. 

“A minha estreia profissional foi em 1971, tocando em boates, aos 16 nos, com autorização especial de um juizado. Mas antes, bem antes, Nil e eu já havíamos tido bandas juntos, aos 12 anos já tocávamos juntos na escola, nos bailinhos. Em 1977, nos reencontramos, e eu o convidei a tocar comigo nas boates. Eram covers, coisas que faziam sucesso, alguma coisa nossa... Foi o início da fase profissional da nossa parceria de vida”, diz Antonio Luiz, que, junto com o amigo, escreveu a inédita “Dois Amigos, Dois Irmãos”, para o show, com duas funções e casa cheia no Teatro Augusta. 

Entre as muitas canções famosas que aparecem no repertório da apresentação, estão “Tic Tic Nervoso”, sucesso de Antonio (com Marcos Serra) gravado pela banda Magazine nos anos 1980; “Rei do Gado”, hit composto por Nil em parceria com Luiz Schiavon e Marcelo Barbosa e gravado pela Orquestra da Terra para a abertura da telenovela homônima, da TV Globo; “Rédeas de Um Possante”, criação de Antonio Luiz e Jotha Luiz gravada por Sérgio Reis e Zezé Di Camargo & Luciano, entre outros; e “Sonho de Um Caminhoneiro”, composição de Nil, Chico Valente e Moskemberg imortalizada por Milionário & José Rico e Chrystian & Ralf. 

“Também tem várias das coisas que cantávamos juntos lá no início, composições de Ataulfo Alves, Originais do Samba, Jorge Ben Jor, Tim Maia, Renato e Seus Blue Caps...”, eles descrevem. 

Produtor de sucesso do mundo do sertanejo — com parcerias longas com Terry Winter e As Marcianas — e também da música infantil, Nil toca, paralelamente, seu projeto “Cantautor”, no qual apresenta muitas de suas inúmeras criações que ganharam o mundo na própria voz e em gravações de nomes como o próprio Terry, Roberta Miranda, Bruno & Marrone, Zezé Di Camargo & Luciano, entre vários outros. Também produziu inúmeros discos desses artistas e, por oito anos, integrou a banda do programa “Domingão do Faustão”, da Globo.

Já Antonio tem um projeto de samba-rock recheado de canções suas, apenas algumas entre as centenas que escreveu para si e outros intérpretes e que dão mostra da sua versatilidade: rocks (banda Magazine), MPBs (Antonio Marcos, Vanusa, Gilliard), sertanejos (Zezé Di Camargo & Luciano, Leonardo, Chitãozinho & Xororó, Roberta Miranda, Sérgio Reis), sambas (Branca di Neve, Bebeto, Originais do Samba, Dema, Raça Negra, Adriana Ribeiro, Rappin' Hood)...  A próxima, o inédito samba-rock “Suburbano”, escrita em parceria com Dema e gravada por este e por Jorge Aragão, sai no ano que vem.

Prolíficos, criativos, eles celebram a guinada que os anos 1970, época do seu reencontro, propiciaram em suas vidas. 

“Eu já era quase gerente num banco, tinha um ótimo salário, e aquele encontro mudou tudo", brinca Nil, ao lembrar-se do dia, em 1977, quando se encontrou por acaso com Antonio e recebeu o já famoso convite para tocar junto com ele numa boate. "Já eu, anos antes, havia sido engraxate na porta da extinta TV Excelsior, em São Paulo. Engraxei os sapatos de Eduardo Araújo, Antonio Marcos e Sérgio Reis ali. Muito tempo depois, ao produzir o disco do Sérgio Reis com o filho dele, Marcos Bavini, vim a ganhar meu terceiro Grammy. Felizmente, a música surgiu para nós e não nos deixou mais”, completa Antonio.

Apesar da produção contínua e de estar sempre lançando coisas novas, Antonio elogia o sistema de direitos autorais que permite aos compositores viver das coisas que criam por muitos anos: “Estou contente e acredito muito na capacidade da UBC de gestionar nossos direitos autorais. Estive em várias associações antes. Sou muito bem tratado na UBC, tenho um carinho enorme pelas pessoas, pela Leandra (Alves), aqui de São Paulo. Nossos direitos estão nas mãos de pessoas fantásticas, que incluem ainda Manoel Pinto, Ronaldo Bastos e muitos outros.”

Confira a parte autoral do set list do show “Dois Amigos, Dois Irmãos”

“Dois Amigos, Dois Irmãos” (Antonio Luiz, Nil Bernardes e Caixote)

“Rei do Gado” (Nil Bernardes, Luiz Schiavon e Marcelo Barbosa)

“Tô de Saco Cheio” (Antonio Luiz e Cesar Augusto)

“Sonho de um Caminhoneiro” (Nil Bernardes, Chico Valente e Moskemberg)

“Tic Tic Nervoso” (Antonio Luiz e Marcos Serra)

“Filho Pródigo” (Nil Bernardes, Chico Valente e Luiz Ribeiro)

“Rédeas de Um Possante” (Antonio Luiz e Jotha Luiz)

“Reprise” (Antonio Luiz e Mario Marcos)

“Saudades da Minha Preta” (Antonio Luiz e Branca di Neve)

“Doce Mistério” (Nil Bernardes, Luiz Schiavon e Marcelo Barbosa)

“Dou a Vida por um Beijo” (Antonio Luiz, Cecílio Nena e Lalo Prado)

“Faltou Coragem” (Nil Bernardes, Cecílio Nena e Antonio Luiz)

“Nem Mais uma Dúvida” (Antonio Luiz, Wanessa Camargo e Cecílio Nena)

“Agora Guenta Nóis” (Zezé Di Camargo, Antonio Luiz e Nil Bernardes)

 

 


 

 



Voltar