No

cias

Notícias

Gil comenta tema da capa da Revista UBC de maio
Publicado em: 02/05/2018

Imagem da notícia

Contribuição do negro para a formação da música popular brasileira ganha reportagem especial que exalta grandes personagens de uma história em contínua construção

Por Fabiane Pereira, de Fortaleza

A contribuição das sonoridades, tradições culturais e espirituais dos povos africanos para a formação da música contemporânea brasileira é, ao mesmo tempo, evidente e difícil de avaliar — por seus limites tão amplos. Mesmo assim, a gente tentou. A reportagem de capa da nova edição da Revista UBC, disponível aqui no site e, impressa, nas sedes regionais da UBC espalhadas pelo país, é um exercício de exaltação e de análise. Personagens das antigas e outros que chegaram há relativamente pouco tempo falam sobre o caráter negro de grande parte do que produzimos e ouvimos, bem como sobre o racismo e as sutis formas de discriminação aos quais ainda estão submetidos criadores afro-descendentes e, por tabela, a maior parte da nossa sociedade.

Neste vídeo exclusivo da UBC, gravado durante a última edição do festival Maloca Dragão, em Fortaleza, o grande Gilberto Gil também dá seu quinhão para a discussão. “A música popular brasileira tem, em sua formação, uma parcela importantíssima (aportada por) negros que vieram como escravos e, aqui, estabeleceram um modo de vida totalmente associado ao clima, ao território, ao contato com os índios e os portugueses. Na música, fizeram uma coisa extraordinária... Criaram, praticamente, toda a música popular do Brasil, desde o século XIX, passando pelo XX e entrando agora pelo XXI”, ele resume.

VEJA MAIS: O vídeo com o depoimento de Gil

Gil foi uma das atrações do Maloca Dragão, que, entre 24 e 29 de abril, reuniu 150 atrações de música, dança, teatro, circo, cultura popular, além de exposições, feira de gastronomia, design e moda, intervenções de arte urbana, lançamentos literários e sessões de cinema, debates e rodadas de negócios. O evento é organizado pelo Instituto Dragão do Mar, cuja iniciativa Porto Dragão Sessions, uma aceleradora de novos projetos musicais cearenses, também é tema de reportagem nesta UBC#36, que você pode ler na íntegra


 

 



Voltar