No

cias

Notícias

Cisac lança em Paris seu Relatório Anual 2022
Publicado em 26/05/2022

Imagem da notícia

Avanço do streaming, buy-out, ajuda à Ucrânia e lobby por leis pró-criadores são destaques

De Paris* e São Paulo 

A Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores (Cisac) publicou esta quinta (26), em Paris, a edição 2022 do seu Relatório Anual. As ações levadas a cabo por muitas das 228 sociedades de 120 países para ajudar os artistas ucranianos afetados pela guerra, os desafios trazidos pelo avanço do streaming como fonte primordial de arrecadação de direitos autorais e o lobby da entidade em parlamentos nacionais para aprovar leis que aumentem a proteção aos autores e criadores são alguns dos destaques. 

Apesar de não oferecer detalhes sobre a arrecadação e a distribuição de royalties nos diversos repertórios cobertos pela entidade — papel este que cabe a outro documento, o Relatório de Arrecadação Global —, os dados revelados hoje antecipam que a soma das arrecadações de música, artes visuais, artes cênicas, audiovisual e literatura foi de € 9,32 bilhões mundialmente. 

Ao longo das 30 páginas do relatório, a entidade destrincha as principais ações de lobby para promover leis mais fortes que combatam ameaças de retrocesso e assegurem os direitos de autores e titulares em geral, do Japão ao Senegal, do México à Romênia, de Israel à China. Um capítulo é dedicado aos contratos do tipo buy-out, aqueles em que, em troca de um pagamento único, os autores (sobretudo de trilhas musicais para o audiovisual) são forçados a renunciar a royalties futuros. 

LEIA MAIS: O relatório completo (em inglês)

O movimento de conscientização sobre o problema liderado pela organização norte-americana Your Music Your Future ganhou menção especial, assim como a iniciativa da UBC de realizar, em fevereiro passado, um debate internacional com especialistas em buy-out.

A Inteligência Artificial e as oportunidades que ela traz aos criadores de conteúdos criativos e o licenciamento de músicas em videogames também mereceram análises, já que se configuram como dois campos de atuação para autores e compositores em rápida expansão.

O espírito coletivo que une criadores do mundo todo permeia o documento e está simbolizado na rápida mobilização de muitas sociedades de autores para enviar uma ajuda que superou € 1,2 milhão aos autores ucranianos.

"É gratificante ver a comunidade da Cisac refletir o espírito de unidade e solidariedade. Os membros da entidade rapidamente apoiaram nossos colegas criadores, as organizações que os representam e os refugiados da Ucrânia. Eles lançaram a campanha 'Songs for Ukraine', que deu ajuda moral e assegurou uma receita de direitos autorais num momento em que tantas pessoas perderam tudo. Isto é exatamente o que a comunidade da Cisac deve ser: uma efetiva rede global de sociedades, que atua rápido e é generosa na sua solidariedade", disse Bjo¨rn Ulvaeuspresidente da Cisac, na carta que abre o relatório. 

Presidente do Conselho de Administração da entidade, Marcelo Castello Branco, que também é diretor-executivo da UBC, igualmente destacou o espírito coletivo das sociedades, que souberam atuar bem para pavimentar o caminho da recuperação do mercado, com o fim da pandemia próximo:

"A pandemia forçou as sociedades a mergulharem mais do que nunca nos desafios locais, abordando as necessidades urgentes dos criadores que perderam suas fontes de renda. Ao mesmo tempo, assistimos a uma dramática mudança no nosso negócio trazida pelo advento do consumo digital e do streaming. Nosso ecossistema criativo tem mudado permanentemente, de várias maneiras. O digital está dando à Cisac um papel ainda maior na vida dos seus membros." 

Castello Branco ressaltou ainda a função facilitadora da entidade para a circulação de um imenso volume de dados globalmente, permitindo melhores arrecadações e um sistema eficiente de distribuição dos royalties entre os titulares. 

Já Gadi Oron, diretor-geral da Cisac, fez um resumo dos temas abordados pelos outros dois executivos e revelou que a entidade aproveitou estes tempos de pandemia para repensar suas prioridades e redesenhar sua estratégia.

"Por meio de uma revisão estratégica liderada pelo Comitê de Governança executiva, recalculamos nossa rota e desenvolvemos uma visão do futuro da Cisac. Uma pesquisa com 140 membros e entrevistas com 50 diretores-executivos contribuíram com essa consulta, que moldará nossas estratégias, à medida que nos adaptamos a um panorama em rápida transformação", afirmou Oron. 

Numa clara declaração de intenções, ele grifou em seu texto algumas palavras-chave que resumem esse redesenho de estratégia: licenças digitais, streaming, (informação e alerta sobre) buy-out, audiovisual — todos eles grandes temas no radar da criação artística para os próximos anos.

*Com informações da Cisac

LEIA MAIS: França terá direitos conexos no streaming e sinaliza caminho ao mundo

LEIA MAIS: Nos 80 anos da UBC, Revista se torna 100% digital

LEIA MAIS: A indústria musical diz a Elon Musk: pague direitos autorais no Twitter


 

 



Voltar