No

cias

Notícias

Sâmi Rico, filho de lenda do sertanejo, se lança na música
Publicado em 06/09/2022

Estreia tem EP produzido por Ivan Miyazato, com hits de Milionário e José Rico

Por Ricardo Silva, de São Paulo 

Fotos de arquivo pessoal

As fotos que os mostram juntos falam por si: Sâmi Rico só pôde desfrutar da presença do pai, a lenda da música caipira José Rico, quando criança. Morto há 8 anos, quando o jovem Sâmi tinha 14, aquele pioneiro do sertanejo contemporâneo deixou um legado musical forte e uma sementinha que não tardou muito em germinar. Agora, aos 22, o filho se lança oficialmente na carreira — primeiro com o EP "Na Moagem (Ao Vivo) - Sâmi Rico", de sucessos da dupla Milionário e José Rico, mas com outro, autoral, já gravado e prestes a sair.

Cria do projeto "Na Moagem", de Ivan Miyazato, que teve edição anterior com a dupla Victor Gregório & Marco Aurélio, o lançamento tem quatro singles, três deles pot-pourris de hits do pai. Canções inesquecíveis, como "Estrada da Vida", "Vontade Dividida", "Vá Pro Inferno Com Seu Amor" e "Desventura", todas em novas versões mas com o espírito original intacto, compõem o repertório cuidadosamente escolhido para que o jovem se sentisse "cantando para ele, com ele", como descreve:

"Dou graças a Deus que meu pai escolheu a vida artística, o canto. Pois ele deixou uma marca registrada dentro de nós todos, ouvintes da música sertaneja. Quando bate a saudade, uma música dele me ajuda a senti-lo, a me lembrar dele."

Dois momentos de Sâmi com José Rico

Pequenino, vestido para as festas juninas, em foto sem data

Arriscando seus primeiros acordes na música, em 2009, seis anos antes da morte de José Rico

No lançamento também há um single inédito, "...Saber Amar", parceria do jovem com a dupla Victor Gregório & Marco Aurélio, a quem ele agradece pelo apadrinhamento neste momento importante do princípio da sua carreira. "Eles abriram as portas para mim em Campo Grande", resume o paulista de Campinas, que fez a gravação do trabalho ao vivo na capital sul-mato-grossense de maneira despretensiosa, como se estivesse tocando para amigos. 

Os planos dele, porém, são mais ambiciosos. No que depender da vontade de Miyazato e dos empresários de Sâmi, Marlon de Freitas e Guilherme Lahr, os próximos passos mostrarão ainda mais a faceta compositor do jovem, com muito investimento em parcerias, o que deverá torná-lo conhecido em diferentes polos da música sertaneja no país.

"Fui procurado pelos empresários do Sâmi para produzir algumas músicas, e acabou que fizemos um planejamento de carreira e estamos executando", diz o produtor. "Além de mostrar de quem ele é filho, já gravamos outro projeto que sairá em breve e é um trabalho inédito do Sâmi. Foi emocionante e prazeroso trabalhar com ele, ver tanto talento e o quanto ele é apaixonado por música. Temos uma expectativa bem grande de sucesso para ele."

Sâmi se mostra empolgado com a criação musical, cita um dos singles já gravados para o próximo álbum, "Preguiça e Pijama", como uma canção autoral sua particularmente especial, e compartilha a visão de Marco Aurélio — expressa há alguns meses em entrevista à UBC — de que o sertanejo precisa resgatar o valor e o cuidado com a canção que tinha lá atrás. 

"Sinto que o sertanejo moderno precisa de uma dedicação maior, muita gente hoje em dia tem vergonha de falar que gosta de sertanejo por alguns exemplos que temos", analisa Sâmi. "Lógico que a música tem espaço para todos, mas acho que devemos trazer mais canções de qualidade, com maior dedicação (na composição). Precisamos de músicas boas para melhorar o orgulho das pessoas em dizerem 'eu escuto sertanejo!'. Quero ser mais um exemplo de qualidade no mercado."

Zé Rico e Sâmi montando a cavalo juntos, em 2008

 

OUÇA MAIS: As quatro canções do EP

LEIA MAIS: Dudu Borges: 'Nada falso se sustenta'

VEJA MAIS: No canal da UBC no YouTube, Cabrera fala sobre produção musical


 

 



Voltar