No

cias

Notícias

Em meio ao caos político, a música pede passagem
Publicado em: 28/09/2018

Imagem da notícia

Depois de Moska, Gilberto Gil e Nando Reis (foto) lançam músicas em que analisam os tempos convulsos que vivemos e dão seu quinhão para o debate público pré-eleição

Por Ricardo Silva, de São Paulo

A eleição presidencial do próximo dia 7 de outubro é uma das mais disputadas da história recente da nossa jovem democracia. A sociedade brasileira vive uma polarização sem precedentes. E o clima político anda cheio de estranhezas. É aí que entra a arte, reivindicando seu papel de plataforma de pensamento, discussão, provocação. E uma chuva de músicas politizadas apresentadas por grandes artistas estes dias dá seu quinhão para debater o país que queremos.

No mês passado, foi Paulinho Moska quem estreou sua contundente “Nenhum Direito a Menos”, parceria com Carlos Rennó que lançou petardos como “Nesse momento de gritante retrocesso/ de um temerário e incompetente mau congresso/ em que poderes ainda mais podres que antes/ põem em liquidação direitos importantes/eu quero diante desses homens tão obscenos/ poder gritar de coração e peito plenos:/ não quero mais nenhum direito a menos”. 

LEIA MAIS: Moska: "Estamos sendo obrigados a nos manifestar"

Depois, Gilberto Gil provocou com “Ok Ok Ok”, em que ironiza, a um só tempo, a febre das opiniões emitidas à mancheia, por tudo e todos, pelas redes sociais, e a tendência nacional de espera por um super-herói que resolva o caos vigente. “Já sei que querem a minha opinião/ Um papo reto sobre o que eu pensei/ Como interpreto a tal, a vil situação/ Penúria, fúria, clamor, desencanto/ Substantivos duros de roer/ Enquanto os ratos roem o poder/ Os corações da multidão aos prantos/ Alguns sugerem que eu saia no grito/ Outros que eu me quede quieto e mudo/ E eis que alguém me pede encarne o mito/ Seja nosso herói, resolva tudo”, canta o mestre na canção título do novo disco. A estreia da turnê será no próximo dia 24 de novembro — bem finalizado o período eleitoral —, em Belo Horizonte. 

OUÇA MAIS: "Ok Ok Ok", de Gilberto Gil 

Sem lançar músicas, mas opinando nas redes sociais sobre temas políticos, Anitta e Marilia Mendonça sofreram a fúria da esquerda e da direita recentemente. Sob pressão e ofensas de seguidores de diferentes candidatos, elas tiveram que esclarecer suas posições políticas e até apagar posts em que falavam de temas relacionados com o complexo panorama atual. Sinal de que, paradoxalmente, aos artistas se requer um posicionamento e, ao mesmo, se impõe uma forte patrulha ideológica. 

Na última terça-feira (25), Nando Reis entrou na(s) questão(ões) e soltou “Rock 'n' Roll”, um longo manifesto de mais de oito minutos em que aborda diversos temas que têm — ou não — aparecido nas campanhas. Estão lá legalização do aborto, violência policial, desastres ambientais, descrença na política e muitos outros tópicos para muitos indigestos. 

“A ideia por trás desses temas é a de destruição. São inúmeras as formas de destruição que estamos presenciando”, diz o músico e compositor. Ao modo de um menestrel, “verborrágico como Bob Dylan”, como define o crítico Mauro Ferreira, Nando expõe sua visão pouco otimista sobre o debate público nacional e mundial de hoje. “É crime o aborto/ mas não é o roubo/ de um bilhão/ por um pacote de biscoito/ ele passou 20 anos na prisão”, diz um trecho. Seu autor justifica assim a volta ao rock puro, onde começou, para retratar esse momento: “O mundo não é mais o mesmo em que eu nasci / Mas eu continuo curando a tristeza com a beleza de uma canção / Por isso, ainda canto meu rock'n'roll.”

Em outra parte, o ex-Titã põe o dedo na ferida política sem contemplações: “Senadores, corruptores, grandes trocas de favores/ Na maior hipocrisia e desfaçatez/ As transações tenebrosas das obras portentosas/ Roubam somas vultosas/ bocas gananciosas.” “É o meu depoimento sobre esse mundo contemporâneo”, define Nando, que anuncia: depois que a tormenta passar, continuará com seu projeto de reconciliação: a finalização de um disco inteiramente com canções de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, que ele já grava em São Paulo. 

VEJA MAIS: O lyric video de "Rock 'n' Roll"

 

 

 

 

 

 


 

 



Voltar