No

cias

Notícias

Músico, proteja seu ouvido
Publicado em: 10/04/2019

Imagem da notícia

Exposição prolongada a altos decibéis pode provocar problemas às vezes irreversíveis, alertam especialistas; veja como se prevenir

Por Ricardo Silva, de São Paulo

O amor pela música leva intérpretes, instrumentistas, técnicos de estúdio e produtores musicais, entre diversas outras categorias profissionais, a envolver-se de corpo e alma com níveis às vezes perigosos de ruído. A falta de cuidado com o próprio ouvido pode, paradoxalmente, vir a impedi-los de se dedicar a essa paixão.

Diferentes estudos, no Brasil e lá fora, mostram problemas auditivos e até perdas de audição, em graus variados, entre os que se expõem a frequências sonoras elevadas por longos períodos, como músicos de orquestras, profissionais de estúdios e bandas e artistas que gravam e ensaiam com frequência, além de fazer muitas apresentações.

LEIA MAIS: Voz, o mais delicado dos instrumentos 

Uma dessas pesquisas, de uma equipe da Universidade Tuiuti, no Paraná, acompanhou dezenas de músicos de uma orquestra de Curitiba ao longo de meses. O tempo de exposição dos músicos, com idade média de 48,5 anos e longas décadas de envolvimento com a atividade musical, era de mais ou menos três horas diárias. Mais da metade (53,34%) relatou zumbidos; 43,34% tinham dificuldades para ouvir; e 33,34%, intolerância a sons intensos. Quatro dos músicos disseram ter zumbidos permanentes, outros quatro falaram em cefaleia crônica, e sete tinham tonturas ligadas à alta exposição a ruídos.

“O pior é que a perda auditiva induzida por som de forte intensidade é irreversível”, alerta Aline Albuquerque de Morais, mestre em Ciências da Reabilitação pela USP e diretora do centro Fopi, de São Paulo, especializado em audiologia. “Falta informação, e muitos músicos demoram a procurar uma orientação profissional, já que os sinais do sofrimento ou da lesão das células do ouvido interno são sutis no começo. A pessoa percebe um zumbido, uma sensação estranha de ouvido tampado após a exposição ao som forte, mas logo passa, e as células conseguem se recuperar. Após repetidas exposições, porém, o zumbido não some mais, e o problema só é percebido quando a lesão é irreversível.”

Para ela, a consciência da exposição a altos decibéis deveria levar profissionais que trabalham com orquestras, shows, estúdios e gravações prolongadas a se consultar com audiólogos, fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas regularmente. “O foco deve ser conscientizar-se sobre os riscos e cuidar do que, na minha opinião, é o principal instrumento de trabalho deles, a audição”, segue Morais.

Outro estudo, neozelandês, mostrou perda auditiva em até 60% dos músicos de 66 anos integrantes de bandas e orquestras com apresentações e ensaios frequentes. Entre os mais jovens, de até 38 anos — portanto, com anos a menos de exposição e “maltratos” auditivos —, o percentual era de 22%. Mas, para o autor do estudo, a ironia da coisa é que não necessariamente os decibéis mais elevados e os anos de acúmulo expositivo são as únicas causas de problemas. “Algumas pessoas têm uma audição mais frágil e estão sujeitas a perdas e problemas auditivos mesmo com pouco tempo de exposição a sons não tão altos”, afirma Sargunam Sivaraj, da Universidade de Massey, líder da pesquisa.

PALAVRA DE ESPECIALISTA - A fonoaudióloga Aline Morais dá dicas práticas para evitar problemas

Sons acima de 85 dB podem ser prejudiciais para a saúde auditiva se o indivíduo ficar exposto por 8 horas ou mais, e cada 3 dB de aumento da intensidade sonora faz o tempo "seguro" cair pela metade. Por exemplo, para uma pessoa que assiste a um show próximo às caixas de som (ou que toca e se apresenta perto delas, claro), o tempo que ela poderia estar ali sem ter o risco de ficar com um zumbido prolongado ou desenvolver uma perda auditiva seria de cerca de 30 segundos, já que nessa situação o nível de intensidade sonora pode chegar a cerca de 110 dB.

  • Abaixe o som – A primeira atitude que você pode tomar para evitar esse tipo de perda é não exagerar no volume! Fones com bom isolamento (por exemplo, monitores in ears moldados) e equipamentos com boa qualidade ajudam muito! Diminuir a poluição sonora no palco, trocando os monitores de chão por monitores in ears bem adaptados (não adianta ser um universal, que sai da orelha a toda hora) é uma das ações mais efetivas para a conservação da audição. Isso porque a maioria das pessoas escutam o som alto para mascarar os ruídos externos ou tentar melhorar a qualidade, perceber melhor detalhes... O que é um grande erro, já que isso só piora a qualidade do som e aumenta muito o risco de lesão.
  • Afaste-se – Se você puder se afastar da fonte sonora, isso vai diminuir bem o nível de pressão que chega às suas orelhas. Assim, se não for possível abaixar o som, não fique próximo às caixas.  Em um estúdio, essa opção pode ser limitada, pois, dependendo da disposição e do tamanho, você pode ficar bem próximo das fontes sonoras... Neste caso, a solução é a dica 3.
  • Use protetores – Se não é possível abaixar o volume ou se afastar da fonte sonora, como no caso clássico de um baterista, que não pode se afastar do seu instrumento — e a intensidade do instrumento, sem qualquer sistema de amplificação, já é bem forte —, a única solução é usar protetores auditivos. O mesmo é recomendado para situações de estúdio. Existem vários tipos de protetores ou atenuadores de ruído; para cada situação, um modelo ou outro pode ser mais indicado. De maneira geral, para quem trabalha com música, o ideal é que os protetores tenham filtro acústico para atenuação flat, que permite que a intensidade seja diminuída de forma mais equilibrada em todas faixas de frequência, evitando sensação de som abafado e distorção da qualidade sonora.

Importante: nosso estilo de vida influencia nossa saúde de maneira geral, inclusive a saúde auditiva. O ouvido interno é muito sensível às mudanças metabólicas do corpo. Assim, uma boa alimentação, prática de exercícios físicos e a qualidade do sono são muito importantes para manter as células auditivas saudáveis também. Outro ponto muito importante para qualquer trabalho de prevenção é fazer exames periódicos. A audiometria é um exame que deve ser feita pelo menos uma vez na vida. Você precisa saber como é, ou como está a sua audição, para poder se cuidar de maneira mais efetiva. Mas, sem dúvidas, o ideal mesmo é realizar um acompanhamento com um profissional especializado na área.


 

 



Voltar