No

cias

Notícias

Termina com sucesso Assembleia da Alcam no Rio
Publicado em: 03/12/2019

Criadores de vários países latinos estiveram na sede da UBC, semana passada, para debater grandes questões do mundo digital musical e avaliar iniciativas da organização

Do Rio

Fotos de Elisa Eisenlohr

Compositores de diversos países do continente se reuniram no fim da semana passada no Rio de Janeiro, mais exatamente na sede da UBC, para trocar experiências e discutir os grandes desafios do setor. Pela primeira vez sediada por nós, a Assembleia Anual da Alcam, a Aliança Latino-Americana de Compositores de Música, terminou na sexta-feira (29) com a presença de criadores de países como Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Diego Drexler, Alejandro Guarello (presidente da Alcam), Barbara Nash (diretora-executiva da organização), Geraldo Vianna, Manno Goes e outros representantes da Alcam e da UBC estiveram presentes nos debates. 

Além deles, vários compositores também integraram as diferentes atividades, entre eles Sandra de Sá, Celso Fonseca, Dani Flomin, Bruno Gouveia e Carlos Coelho (Biquíni Cavadão), Delia Fischer, Luciana Pegorer, Marcella Fogaça, Matheus Von Kruger, Roberta Dittz (Canto Cego) e Rodrigo Borges.

“As questões que mais foram debatidas foram aquelas relacionadas ao mercado digital, com seus baixos valores e um tema prioritário que são as cláusulas buy-out dos contratos, pelas quais o autor recebe um valor específico, transferindo seus direitos. Houve uma intensa discussão, por tratar-se de um tema comum a todos os países na atualidade”, contou Geraldo Vianna, membro do Conselho Fiscal da UBC. “Avançamos muito nas questões da iniciativa Fair Trade Music (comércio musical justo), com planejamento e metas para a concretização do projeto de certificação da qualidade dos negócios na música, já em 2020.”

A iniciativa global Fair Trade Music, iniciada em Washington em 2013, consiste em melhorar as transações da indústria musical, outorgando um selo de boas práticas às produções musicais que o mereçam. As normas e compromissos do Fair Trade Music latino-americano já se encontram prontas para difusão e futura aplicação.

Momento de uma reunião: apresentações de dados e troca de ideias

Outro tema importante presente no evento foi a avaliação do trabalho único no mundo realizado pela Alcam de formação e educação de jovens e emergentes artistas. As atividades do projeto englobam desde o conhecimento técnico/musical, passando pela base jurídica necessária à condução de uma carreira alicerçada pela conscientização dos direitos na música.

"Nossos planos de ação se centram na formação e na educação de jovens, inclusive antes de entrar no mundo da indústria musical, com o objetivo de adverti-los sobre os perigos de certos contratos, sobre não publicar conteúdos das suas obras sem registrá-las em suas sociedades de autor e sobre o manejo de redes sociais e estratégias de produção e criação", explicou Alejandro Guarello, da Alcam. "A reunião no Rio foi uma das mais produtivas dos últimos anos, pudemos avançar muito numa série de estratégias e objetivos da Alcam."

Além da reunião principal da assembleia e de outros encontros entre os participantes, houve espaço para uma maior integração dos colegas de outros países com os brasileiros. Passeios, jantares e uma recepção tiveram o Rio como cenário. No ano passado, a reunião ocorreu em Lima, e a expectativa é de que o encontro de 2020 seja em Montevidéu.

Com membros de diversas nações latino-americanas, a Alcam surgiu em 2012, seguindo um mandato da Cisac (Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores) pela multiplicação de organismos que debatam as peculiaridades regionais do mundo da música.

Um dos encontros paralelos entre compositores

A aliança se ocupa das problemáticas musicais e de trabalho dos criadores, sejam ou não sócios de sociedades de gestão coletiva. Uma de suas ações mais importantes é promover a informação sobre os direitos autorais em reuniões organizadas em vários países, além das atividades de educação destinadas a jovens em idade escolar mencionadas por Guarello.

Desde a fundação da Alcam, já foram realizados vários seminários e oficinas de produção, criação, gestão e uso de plataformas digitais. Estudos de mercado e focus groups são levados a cabo periodicamente para detectar as necessidades de cada mercado latino-americano. Um universo de que a UBC quer se aproximar ainda mais.

"Sediar o evento da Alcam foi uma experiência totalmente positiva", avaliou Manno Góes, membro do nosso Conselho Fiscal. "Além dos resultados alcançados e planejamentos traçados, a UBC estreitou ainda mais os laços com a Alcam, fortalecendo a parceria e comprometimento da nossa sociedade de gestão coletiva com os interesses latino-americanos e mundiais."


 

 



Voltar