No

cias

Notícias

Clube de criação musical: fórmula para vencer o bloqueio
Publicado em: 02/02/2020

Conheça a experiência da australiana Francesca de Valence, que bolou um formato para a troca de experiências e feedbacks que ajuda a sair do atoleiro criativo; em março, ela dará um webinar exclusivo para a UBC, e você pode participar

Do Rio

Foto de promoção do projeto Lucid Dreams, um dos que surgiram no contexto do I Heart Songwriting Club

Qualquer compositor, sozinho, pode sofrer um bloqueio criativo e sucumbir a ele. Um grupo de compositores, apoiando-se mutuamente, necessariamente vai superar o atoleiro. Esta foi a lógica da compositora, musicista e cantora australiana Francesca de Valence quando, em setembro de 2014, criou uma lista de e-mail que rapidamente se transformou num fórum para troca de ideias, impressões, opiniões e experiências entre amigos criadores musicais. A coisa foi crescendo e virou um clube de criação, o I Heart Songwriting Club, que, de lá para cá, já teve mais de 650 participantes, coisa de nove mil canções escritas, umas cem gravações, pelo menos, com boa repercussão nas plataformas de streaming, além de ter testemunhado o surgimento de bandas, parcerias, turnês e novos projetos indicados até a prêmios musicais.

“Romper o isolamento é um dos mais importantes passos para criar com desenvoltura. Sozinho, você tende a pensar que as suas ideias não são boas o bastante. Resultado: bloqueio. Num clube como o nosso, que tem tarefas semanais, método de criação, muito feedback uns dos outros, mas, também, espaço para a criação em paz e com tranquilidade, é difícil não deslanchar”, prega Francesca, que também é educadora e dá palestras pelo mundo explicando sua experiência e defendendo um ponto-chave: a criação será sua, mas compartilhá-la com gente interessada e capaz de dar bons retornos fará toda a diferença. 

Cerca de dez brasileiros, segundo ela, integram o clube atualmente. As interações são em inglês, mas isso não impede que um eventual crescimento no número de criadores do nosso país possa derivar no surgimento de subgrupos de discussão em português. “Atualmente, basta usar um serviço de tradução como o Google Tradutor, recortando e colando os textos ali antes de compartilhá-los em inglês com os demais usuários, para se fazer entender”, ela explica.

Francesca vê pontos positivos em qualquer tipo de congregação para criação, incluindo os acampamentos de criação, uma fórmula em constante crescimento, como já mostramos aqui no site e na Revista UBC. “Mas, no caso dos acampamentos, você pode participar de um deles a cada, digamos, seis meses ou um ano. E o que faz no restante do ano? Não produz? Não compartilha o que produz? Acho que um clube tem outra pegada. Não se trata só de escrever, mas de criar consistência e método.” Ela estimula a criação de clubes semelhantes em todas as partes. 

“Sozinho, você tende a pensar que as suas ideias não são boas o bastante.”

Francesca de Valence, cantora, compositora, musicista e educadora

No período básico de 10 semanas do I Heart Songwriting Club, é preciso escrever uma canção por semana, levar, no máximo, uma hora para concluir uma criação e escrever sozinho. Os temas são variadíssimos e desenhados para abrir a criatividade. “Eu estimulo as pessoas a usarem ou instrumentos ou aparelhos musicais que as ajudem a focar na melodia também, isso permite uma criação mais efetiva”, conta Francesca. “A confiança que se adquire em escrever uma canção por semana abre muitas portas. Muitos dos criadores que se veem em uma cadeia de produção sistemática vão atrás de oportunidades, têm mais abertura para mostrar suas coisas aos outros, a intérpretes, a editoras... Eu posso falar em primeira pessoa: foi assim comigo."

E com o grupo Mama Kin Spender também. Como Francesca conta, há cerca de quatro anos, dois amigos de diferentes partes da Austrália se uniram ao clube, fizeram o plano de dez semanas de criação, gravaram e lançaram dez das músicas que criaram, fizeram uma turnê de 64 dias e acabaram indicados ao ARIA, o Grammy da música australiana. Em comum, antes da experiência num abiente de feedbacks constantes e tarefas a cumprir, eles também estavam bloqueados. "É uma sensação muito legal ver a coisa acontecer, a obra surgir. Esse é o propósito", diz Francesca.

O clube dela está oferecendo 50% de desconto no pacote de dez semanas a leitores dos canais informativos da UBC. Com isso, o preço é de cerca de R$ 65. Basta inserir o código UBC2020 no formulário de inscrição. Em março, Francesca deve fazer um webinar, ou seminário pela web, sobre técnicas de criação para você que acompanha os nossos canais informativos. O seminário será em inglês e gratuito. 

Tem interesse em participar? Então, deixei seu contato aqui, e nós o manteremos informado sobre data, hora e todos os detalhes do seminário.

“Quando se vence o bloqueio, percebe-se que interagir só traz vantagens. Você criará laços, fará novas conexões, expandirá seu mundo”, conclui a australiana.

LEIA MAIS: Feats, ou colaborações especiais, ganham cada vez mais força no pop brasileiro


 

 



Voltar