No

cias

Notícias

APPs de composição musical: criar é fácil; definir quem é o autor, nem tanto
Publicado em: 26/07/2017

Imagem da notícia

Questão dos direitos autorais em plataformas que permitem o compartilhamento de pedaços de uma composição coletiva deve ganhar força com a popularização dessas ferramentas

Por Ricardo Silva, de São Paulo

 

Se os softwares para produção musical em computadores representaram uma revolução que sacudiu as estruturas do mercado fonográfico entre os anos 1990 e 2000, um novo terremoto se avizinha e terá como epicentro a palma da sua mão: mais especificamente, o celular. Os aplicativos que dispensam instrumentos físicos e permitem a composição de músicas, sozinho ou coletivamente, bem como o seu compartilhamento instantâneo e gratuito, devem provocar uma enxurrada de novas criações nos próximos anos. O único problema é que, ao amparar-se no conceito de livre troca de conteúdos entre usuários, dando um caráter de criação em grupo a uma determinada música, algumas dessas ferramentas podem eventualmente complicar a questão dos direitos autorais.   

Entre os aplicativos mais populares hoje em dia, grande parte está hospedada nos sistemas operacionais da Apple (iOS e macOS). O GarageBand é um deles, um miniestúdio que possibilita compor uma música de modo intuitivo e com nada desprezível quantidade de recursos. O Figure é outro que não para de crescer. Desenvolvido pela companhia Allihoopa AB, da Suécia, virou referência para músicos por trazer recursos adaptados para leigos, linguagem visual atraente e operação simplificada. Mas o grande pulo do gato deles foi a vinculação com a plataforma-mãe, por assim dizer, a própria Allihoopa, uma rede social que põe em contato gente que quer compartilhar ideias criadas no gratuito Figure (e também em softwares pagos como Reason e Take, da produtora sueca Proppellerhead, além de diversos outros). Um verso, um riff, um arranjo, uma ideia para uma banda: qualquer coisa serve para unir gente de qualquer parte e levar ao surgimento de um projeto real e coletivo.

Naturalmente, isso gera uma discussão sobre a quem pertence os direitos sobre a obra. No caso do Allihoopa, cada etapa do processo é bem documentada, com cada contribuição registrada, de modo a assegurar, pelo menos, o direito moral de todos os compositores. O problema é fazer essa música arrecadar algo com direitos autorais. É o que avalia Peter Strauss, gerente de Relações Internacionais, Distribuição & Licenciamento da UBC.

“Olhando para o direito autoral, é um campo nebuloso, habita talvez o mesmo espaço que o Soundcloud ocupa, já que são plataformas focadas em conteúdo de usuário. No caso do Allihoopa, não existe um modelo de negócio (ainda) baseado em assinatura ou publicidade, é apenas uma plataforma, um serviço para usuários dos aplicativos e dos programas que publicam diretamente no site. O Soundcloud passa por um processo de legitimar o conteúdo publicado por usuários e pagar os direitos mas não tem sido uma transição fácil”, descreve Strauss.

Sem criação coletiva, e, portanto, com limites muito mais bem definidos para questões elementares sobre titularidade, outros aplicativos que ajudam a compor com um celular ou um tablet não param de crescer. O SoundPrism, do sistema operacional iOS (iPhone e iPad), tem em sua versão gratuita as sonoridades de quatro instrumentos diferentes — além de permitir, na versão paga, baixar outros —, é intuitivo e simples de usar e permite a criação de músicas deslizando os dedos sobre botões virtuais.

Para a plataforma Android também há aplicativos populares. O DJ Studio 5, por exemplo, conta com uma quantidade surpreendente de efeitos e equalizações e permite fazer mixagens com qualidade profissional a partir de bases pré-gravadas. Mais sofisticado, o Caustic 3 é parecido com o Reason e apresenta muitas funções de sintetizadores, com navegabilidade fácil e intuitiva. Mas a gravação final só é disponibilizada com a compra da versão paga. Ainda assim, dá para combinar com outras ferramentas para criar parte de uma obra musical.

Se a ideia for simular apenas os sons de alguns instrumentos específicos na hora de fazer uma gravação, há vários aplicativos para isso: para guitarra, Ultimate Guitar (iOS e Android); para bateria, Real Drum (iOS e Android); para baixo, Real Bass (Android); para piano, My Piano (Android); e, para acordeão, Accordion Free (Android).

Como em tudo o que se relaciona à era digital, se a monetização ainda é complicada para os simples mortais, a vantagem de criar facilmente e compartilhar quase sem limites seu trabalho é a possibilidade de atingir mais gente. Se a monetização direta ainda está por concretizar-se, a disseminação dos trabalhos gestados neste novo ambiente não tem paralelos. “No caso de ferramentas de criação coletiva, cada obra remixada faz um link direto com o perfil e obra originais, o que contribui para aumentar a exposição dos compositores”, diz Strauss. “Criam-se, assim, verdadeiras redes orgânicas de criadores que trabalham nas faixas uns dos outros de maneira aberta.” Uma forma nova e cheia de possibilidades para fazer sua música ganhar corpo e circular.

 

 

 



Voltar