No

cias

Notícias

UBC e Vagalume selam parceria para melhor identificar os compositores
Publicado em: 24/10/2017

Imagem da notícia

Site de letras e canções é o principal do país e conta com banco de mais de 2 milhões de obras; campanha estimulará a inclusão dos dados dos autores pelos usuários

Do Rio

No mês em que se celebra o Dia do Compositor Brasileiro, a UBC e o Vagalume, maior site de música do país, selam uma parceria para dar mais visibilidade aos criadores de canções. Com um banco de dados de mais de 2 milhões de letras de músicas — além de traduções de obras estrangeiras e dos próprios arquivos para audição no portal —, o Vagalume trabalha para melhorar o cadastro dos compositores das canções. Desde a criação da ferramenta, há 15 anos, por Daniel Lafraia e Ana Letícia Torres, essa sempre foi uma preocupação mas esbarra na dificuldade de acessar cadastros com informações acuradas.

Agora, através da campanha celebrada com a UBC, o Vagalume deve reforçar a identificação dos compositores tanto no grande volume de letras que a própria equipe do site sobe semanalmente — consultando para isso o banco de dados da nossa associação — como no caso do material publicado pelos usuários. A equipe de TI (tecnologia da informação) do portal incluirá um novo campo no formulário de cadastro de músicas com a inscrição “Não sabe o compositor? Consulte no site da UBC", acompanhado do link para a nossa ferramenta de consulta de informações sobre músicas e fonogramas.

“Qualquer música, independentemente do estilo, é uma obra de alguém, tem um trabalho artístico, comercial e intelectual por trás. Por isso, é fundamental valorizar esse esforço, creditá-lo. Muitas vezes, principalmente se se trata de um intérprete famoso, o compositor acaba ficando em segundo plano, o que é uma grande injustiça, já que, sem ele, a própria música sequer existiria”, afirma Angélica Okamoto, diretora de marketing do Vagalume.

Atualmente, das 100 músicas mais ouvidas no Vagalume, 18 contam com o cadastro correto de autores; 10, com o cadastro parcialmente correto; e 56 não têm informações sobre os autores.

“A ideia é que, a partir de agora, a publicação da letra de uma nova música traga imediatamente, na medida do possível, a informação sobre o compositor. Todo mundo ganha, principalmente o público, que fica mais informado sobre quem é o responsável pela obra que está sendo procurada”, completa Angélica.


 

 



Voltar