No

cias

Notícias

Conexões UBC debate sobre música e comunidade LGBTQIA+
Publicado em 09/07/2021

O encontro, que acontece na próxima terça-feira (13), reúne a diretora artística Mariana Campos, o cantor Bemti, as cantoras Elisa Fernandes e Urias e conta com a mediação da A&R da UBC Carol Crispim 

Do Rio

No próximo dia 13 de julho, às 18h, o quarto episódio do Conexões UBC abre espaço para debater a diversidade e como a música serve de palco para transformação do movimento LGBTQIA+. O bate-papo conta com a participação de Mariana Campos, diretora artística da agência de marketing e influência Mynd, do cantor de música indie folk Bemti, e das cantoras Urias e Elisa Fernandes. A produtora cultural e A&R da UBC, Carol Crispim, mediará o encontro. Para garantir seu ingresso gratuito e online, clique aqui.

Gestão de direitos autorais, marketing digital, plano de carreira, financiamento coletivo, produção musical e executiva. Há muito a indústria da música deixou de ser um negócio envolvendo apenas artistas, gravadoras e a tradicional figura do empresário. E é para apresentar a expansão do leque de possibilidades deste mercado que a UBC deu início ao Conexões UBC. Com programação quinzenal, a série é um espaço para discutir assuntos relevantes para o mercado musical com profissionais da música e especialistas. 

 

SOBRE OS CONVIDADOS

Carol Crispim é formada em produção cultural com especialização em Música e Negócios, atua no mercado da música há 9 anos. Entre os principais trabalhos estão; gerente de produção na K2l, produção artística do prêmio Multishow e do festival Spanta Neném. Atualmente é A&R na UBC.
 

 

Mariana Campos
Diretora Artística e responsável pelo painel de diversidade da Mynd, uma das maiores agências de marketing e influência digital do Brasil. Um trabalho focado no planejamento e criação de projetos conectando artistas às grandes marcas do Brasil. Dentre os maiores artistas que gerencia estão Pabllo Vittar, Preta Gil e Cléo. No total, são 20 anos trabalhando em Marketing e Comunicação, em especial sete anos de Coca-Cola Brasil gerenciando grandes projetos como Rock In Rio, Copa do Mundo 2014 e Jogos Olímpicos 2016.
 

 

Bemti
Lançou seu primeiro disco solo em 2018, "Era Dois", que conta com participações de Johnny Hooker e Tuyo. O álbum foi escolhido um dos melhores discos do ano por diversas listas, como a da Rolling Stone Brasil, e já soma mais de um milhão de plays somente no Spotify. Bemti tocou em nove estados brasileiros e três países em turnê interrompida pela Covid-19. Formado em Audiovisual pela USP,  o artita nasceu numa fazenda na Serra da Saudade em Minas Gerais e usa a viola caipira de 10 cordas como instrumento principal do som que ele define como queer-folk, synthpop e MPB. Se posicionando desde sempre como artista gay, na busca por representatividade LGBTQIA+ e experimentação estética dentro da música sertaneja e caipira, Bemti também faz parte do coletivo Fivela Fest que, desde 2020, reúne artistas do "queernejo". O cantor foi selecionado no Natura Musical, um dos mais importantes editais de música do Brasil, para realizar seu segundo álbum "Logo Ali", que sai no segundo semestre de 2021. Dois singles deste disco já foram lançados, entre eles, a música "Catastrópicos!" com participação de Jaloo.
 

 

Urias
Nascida e criada em Uberlândia (MG), aos 26 anos de idade a artista trans fala sobre representatividade com lugar de fala garantido. O corpo esguio e lábios carnudos levaram Urias às passarelas dos eventos de moda. Como modelo participou do SPFW e Casa de Criadores, estampou a capa digital da Glamour Brasil em 2020 e do manifesto “Moda com Propósito”. Sua incursão pela cena fashion a fez ser escolhida como uma das embaixadoras latino-americanas da marca Adidas, além de atestar que a suposta ‘esquisitice’ dos tempos escolares hoje se transformou em matéria inspiracional. E, se “Narciso acha feio o que não é espelho”, Urias desestabiliza o conceito e responde: “vão ter que engolir por bem ou por mal” (letra de “Diaba”) ou “bonita assim, sem pressa” (letra de “Racha”). Aliás, é na música que sua veia rítmica começa a pulsar fortemente. A carreira de Urias ganhou forma e profissionalização. A ela se juntou o time de gerenciamento empresarial da Mataderos, responsável por desenhar um planejamento que já rendeu mais de nove milhões de visualizações no Youtube e seis milhões de plays no Spotify com “Diaba” (2019). Em março deste ano lançou o clipe de seu novo single, "Foi Mal", que deve integrar o primeiro álbum de estúdio da artista.

 

 

Elisa Fernandes
Cantora e compositora lésbica carioca, Elisa é afilhada musical do mestre Monarco, da Portela. A artista lançou no final de 2020 seu primeiro álbum, que já ultrapassa a marca de um milhão de plays nas plataformas musicais. Duas faixas de "ELISA" fazem parte da EQUAL Brasil de julho, projeto global do Spotify para promover a igualdade de gênero na música. Seu novo single, "Saravá, Paz e Bem", feat com o grupo Casuarina, está tocando nas principais rádios do gênero no país.

 

CONEXÕES UBC

Tema:  “A música como veículo de transformação para o movimento LGBTQIA+”
Data: 13/07/2021 (terça-feira)
Horário: 18h
Transmissão e inscrições gratuitas: clique aqui

 


 

 



Voltar