No

cias

Notícias

Sete dicas de coachs da área musical
Publicado em: 08/11/2017

Imagem da notícia

Treinadores sugerem algumas iniciativas que podem ajudar você a avançar na sua carreira

Por Kamille Viola, do Rio

Palavra da moda, coaching é um processo pelo qual um orientador (coach, em inglês) ajuda o cliente a atingir metas. Literalmente, quer dizer treinamento, e a ideia é ajudar a pessoa a evoluir em uma área da vida. Os objetivos são trabalhados em sessões que costumam se estender por, no mínimo, três meses e envolvem exercícios de autoconhecimento e outras ferramentas. No meio musical, diversos artistas já recorreram a esses profissionais, buscando levar suas carreiras a outros patamares.

“Acredito que a diferença de artistas para outros profissionais seja a exposição e tudo o que isso gera direta e indiretamente. Nesses profissionais, o medo do fracasso, do sucesso e da rejeição é muito mais forte, porque é público. Esse profissional não entra num escritório e vai para casa. Ele é notícia, é inspiração, é expectativa, é modelo de comportamento etc. Muitos já sofrem rejeição da família antes mesmo do sucesso, e existem níveis de sucesso, não é? Existe o sucesso local, da cidade, região, estado, existe o nacional... Existe o sucesso de moda. E depois?”, diz a coach Estela Albani, que já trabalhou com músicos e atores.

Mas o coach não atua na parte técnica: ele não irá interferir no canto ou na habilidade do artista com um instrumento. A ideia é trabalhar a clareza, o foco, autorresponsabilidade, a quebra de crenças limitantes — enfim, fazer com que ele consiga avançar em busca de suas metas. “O objetivo é que ele chegue ao próximo nível, que atinja um objetivo verdadeiramente importante da sua carreira”, explica Marcia Bruno, que já atuou como coach de nomes como Anitta, Ludmilla, MC Sapão, Gabilly e MC Pocahontas, entre outros. “Já trabalhei com artistas que queriam ter um empresário ou uma gravadora, outros que queriam organizar sua vida e saúde, que queriam cuidar das suas carreiras como empresários, que queriam gerar mais dinheiro, que queriam perder peso ou que queriam organizar a mente para produzir arte em forma de música, outros que precisavam cuidar das suas relações... Enfim, cada um é único.”

De acordo com Estela Albani, todo trabalho profissional passa pelo emocional, com raras exceções. “Quase sempre existem questões de autoestima e crenças de merecimento”, garante ela. “Com um músico, eu trabalhei desafios emocionais para ele se sentir capaz e confortável em um palco grande com uma multidão. Ele é de uma banda que fez sucesso, tem parceiros que ganharam fama, tem bons relacionamentos, tem presença de palco, tem qualidade artística, mas não saía de pequenos palcos e shows fora do Brasil. Isso começou a ser um problema, ele queria entender se era uma escolha ou uma incapacidade. E percebeu que era uma escolha e que essa decisão traria valores importantes como liberdade e flexibilidade. A partir disso, criamos estratégias, e ele se lançou em parcerias, projetos e viagens que estavam paradas por ter perdido o seu propósito artístico”, exemplifica a coach.

Veja algumas dicas de coaching que podem ajudar no desenvolvimento de sua carreira.

 

1) Defina seus objetivos profissionais

“Busque ter clareza do que quer com a sua arte e aonde quer chegar com ela. Depois, reflita se está disposto a pagar o preço para chegar aonde quer”, diz Marcia Bruno.

2) Esteja preparado para mudar

“É importante estar disposto a passar pelas transformações necessárias para que o objetivo seja atingido”, comenta Marcia Bruno.

3) Faça a sua parte

“Não há mágica. O coach oferece um treino e tem algumas exigências para investir seu tempo e seu conhecimento com algum artista: uma delas é que ele esteja disposto a dedicar um tempo de qualidade no seu próprio desenvolvimento e que cumpra com as tarefas propostas no treinamento em que entra, quando decide tirar as rodinhas da bicicleta e ir para o próximo nível da carreira”, compara.

4) Não confie cegamente em críticas ou elogios

“Nada do que disserem a você deve ser levado como verdade absoluta. Tudo é um ponto de vista. Nem a pior critica nem a melhor. Um feedback positivo pode fazer tão mal quanto um feedback negativo. Por isso, não tome nada tão definitivamente, tenha foco e alinhe o profissional”, frisa Estela Albani.

5) Trabalhe a autoestima

“O que eu vejo são músicos querendo impactar a sua identidade artística no mercado para gerar valor e agregar agentes e gravadoras. Depois, esse artista busca a liberdade de criação e se apropriar mais do seu talento, da sua singularidade. Então, o emocional, muitas vezes, não dá trégua, e ele precisa olhar para dentro de si: melhorar a autoestima, se reconhecer como indivíduo (porque a exposição distorce muita coisa), aprender a dizer não, aprender a se dar limites, sentir conforto no desconforto”, defende Estela Albani.

6) Busque surpreender o público sempre

“As pessoas não se esquecem de você, elas perdem o interesse. A função do artista é renovar esse interesse. As pessoas não querem ser agradadas, elas querem ser surpreendidas”, afirma Estela Albani.

7) Reforce sempre os laços com a família

“É importante traçar estratégias para realizar projetos maiores, ganhar palcos imensos sem perder o berço familiar”, lembra Estela Albani.

 

 

 

 



Voltar