No

cias

Notícias

Erasmo Carlos é o ganhador do Prêmio UBC 2018
Publicado em: 18/08/2018

Imagem da notícia

Um dos criadores mais importantes da história do rock nacional, ele tem 815 canções registradas e é associado há quase 20 anos; festa será na Casa UBC, no próximo dia 9 de outubro, e terá a estreia de uma nova categoria 

Do Rio

Erasmo Carlos será o homenageado da edição 2018 do Prêmio UBC, tradição dos anos 1980 retomada no ano passado com uma celebração a Gilberto Gil. Uma grande festa na Casa UBC, o nosso espaço de eventos e cultura no Centro do Rio, marcará no dia 9 de outubro a entrega do troféu pelo conjunto da obra a um dos compositores mais prolíficos e importantes da história do rock nacional. Com nada menos do que 815 canções registradas e 28 discos de estúdio, o Tremendão é associado à UBC há quase 20 anos e tem uma carreira marcada por sucessos, muitos deles em parceria com o amigo Roberto Carlos. 

A capilaridade dos interesses, estilos e da rede de amigos de Erasmo, contudo, vai além e atesta sua pluralidade. Ao longo dos anos, ele publicou livros e compôs com nomes como Marisa Monte, Carlinhos Brown, Adriana Calcanhotto, Rita Lee, Jorge Ben Jor, Milton Nascimento, Skank, Los Hermanos, Simone, Lulu Santos, Nando Reis, Nelson Motta, Chico Amaral ou Liminha. 

“Vem Quente Que Eu Estou Fervendo”, “Gatinha Manhosa”, “Minha Fama de Mau”, “Mesmo Que Seja Eu”, “De Noite Na Cama”, “É Preciso Saber Viver”, “Minha Superstar”, “Mulher (Sexo Frágil)”, “Festa de Arromba”, “Coqueiro Verde”, “Sou Uma Criança, Não Entendo Nada”, “Imoral, Ilegal ou Engorda”... Impossível elencar sequer os principais hits do Tremendão, que se sente orgulhoso de sua versatilidade, mas não da “fama de mau”, que ele canta e que diz achar injusta. 

“Isso vem da Tijuca (bairro do Rio onde nasceu), as músicas, vem da inocência de você dizer 'não' à namorada, por exemplo. E é uma música muito machista, mas um machismo inocente. E isso virou um carma na minha vida, de achar que eu sou mau. Eu tenho uma cara de mau. Eu sou um muro que parece impenetrável, mas que, no fundo, é de isopor, ou seja, que quebra facilmente", ele definiu, recentemente, em entrevista a Pedro Bial na TV Globo. 

Feliz com a escolha de Erasmo e com a crescente relevância do Prêmio UBC, Marcelo Castello Branco, diretor-executivo da UBC, exalta a razão de ser dessa festa: os autores. Não à toa, a entrega será no dia 9 de outubro, dois dias depois da data em que se comemora o Dia do Compositor Brasileiro. 

“A nova edição do Prêmio UBC caminha para consolidar nosso objetivo de valorizar o autor e o compositor brasileiro, o alcance do seu trabalho e a sua relevância cultural. O autor é o princípio, o meio e o fim desta iniciativa, que pretende, a cada ano, incorporar novas categorias, tornando-se mais abrangente e inclusiva”, diz Marcelo. “Preferimos ir sem pressa, mas sem pausa, nessa direção.”

Uma das novas honrarias a que ele se refere é o Troféu Fernando Brant, que, em seu próprio nome, recorda o grande compositor e ex-presidente da UBC, figura-chave na luta pela consolidação dos direitos autorais no país. Como Brant, uma figura relevante na defesa dos autores receberá o prêmio em sua primeira edição. O nome do homenageado ainda é segredo e será anunciado nas próximas semanas. 

Fique ligado e confira, aqui no site e nas nossas redes sociais, mais notícias sobre a edição 2018 do Prêmio UBC e sobre a festa da Casa UBC que, mais uma vez, será também uma homenagem coletiva a todos os brasileiros que ajudam a fazer da nossa música uma das mais especiais em todo o mundo.

Saiba mais sobre as ações do Mês do Compositor Brasileiro


 

 



Voltar